Pular para o conteúdo principal

Já mudei o plano do meu celular...






- Você não vai dormir? - Pergunta uma voz na porta entreaberta no fim do corredor.


Respondi, sonolenta que já ia. Menti. Na TV iniciava-se sua novela favorita, aflita, tentei assistir ao episódio para ter algo para conversar com você, quando o visse. Com o celular na mão, aguardando receber uma mensagem sua a qualquer momento, mesmo que fosse só de boa noite.


Você sabe que eu odeio isso, odeio ficar sem notícias suas. Sua ultima mensagem foi há horas e você já esta cansando de saber que eu não posso responder. Já mudei o plano do meu celular... Tudo para poder falar mais com você. Acredito - e espero - que você também queira falar mais comigo. Ainda me lembro daquele dia, na sua casa, que eu estava fazendo a estimativa de quantas mensagens já tínhamos mandado um ao outro - calculei uma media se 200 - e você me disse que já tinha enviado muito mais que isso em um só dia. Por que conosco não é assim? Por que meus créditos não durariam o dia todo? Por que eu não tenho assunto? Ou por que você demora para responder minhas mensagens? Tem duas coisas que me incomodam em você: a primeira é a sua demora para responder minhas mensagens - eu assumo, quando você demora, eu também demoro, para não parecer desesperada, mas no fundo eu estou - segunda porque você nunca responde dois assuntos numa mesma mensagem, o que significa enviar uma mensagem de dez linhas para você, que você irá responder em três palavras.


Desde o começo eu tentei não me meter na sua vida, nunca quis te proibir de sair com seus amigos (apesar de fazer isso brincando, as vezes... Mas é brincando), também sempre me segurei da vontade de ler suas mensagens e olhar as fotos do seu celular (mas eu me rendi e fiz isso - mas nada que você não tenha deixado). Eu sei, em alguns pontos eu fracassei, mas eu espero que você entenda que eu estou lutando contra o meu eu para ser o melhor para você. Eu nunca fiz isso por ninguém, mas não faço por você, faço por mim. Nunca gostei de alguém como gosto de você, e nunca ninguém soube me fazer tão feliz como você faz. A única coisa que eu consigo dizer para minhas amigas é como estou feliz, e se alguém pergunta de você, eu sorrio e me rendo, contando como eu me senti bem o final de semana inteiro.


Guardo na minha memória o seu cheiro, seu sorriso, a cor dos seus olhos... Não consigo parar de pensar nas coisas que você me disse ao pé do ouvido, durante a madrugada. Olho nossas fotos todos os dias na tentativa de voltar para aqueles momentos felizes ao seu lado, jogados no sofá, cochichando com a sensação de estarmos cometendo um crime, tendo sua irmã sentada no sofá ao lado, tentando assistir um filme o qual nem o nome lembrávamos mais. Ainda lembro do primeiro bolo que eu fiz para você (depois de seu irmão pedir com muito carinho para que eu fizesse), um bolo de caixinha que de tão fino ficou parecendo uma bolacha, mas que você jurou ser o segundo melhor bolo que você já comeu, e seu pai elogiando-o até o dia seguinte.


Nunca foi tão bom fugir da chuva... Apesar da chapinha feita, só conseguia me concentrar em segurar a sua mão. E sua irmã, que por vezes se perdia em lojas e mais lojas, enquanto nos deliciávamos de um abraço. E das minhas tentativas fracassadas de escolher uma roupa pra você (blusa rosa, camisa pólo, camisa listrada...). Pelo menos eu encontrei alguém que concorda comigo e será sempre minha cúmplice. Melhor ainda foram nossas conversas durante a madrugada, até o amanhecer... Panelas de pressão reinaram em seu quarto, com seu pai dormindo no quarto ao lado, e nós, que conversávamos sobre o passado não conseguíamos nos controlar. Sou suspeita para falar, pois sempre gostei de falar do passado... Mas nunca foi tão aliviador quanto dessa vez, fechado com uma foto rasgada ao meio, e parte dela jogada fora. Um passado que tanto me assombrou, mas não tanto quanto o meu. E sua pergunta intima, que eu achei que você nunca fosse fazer. Foi libertador, como se eu fosse um passarinho preso em uma gaiola, e você fosse o tal a abrir esta gaiola. Saber que você é como eu, saber que não foi tão egoísta da minha parte... Isso me deixa muito feliz. E enfim eu posso terminar a noite com a melhor das coisas que eu poderia ouvir.


A voz torna a chamar através da porta, dessa vez, me lembrando que ainda é Terça-feira, e que terei que levantar cedo no dia seguinte.
Sua novela esta acabando e não resisto em esperar por sua mensagem de boa noite, como todo dia. Apesar de o sono me dominar, uso como desculpa para mim mesma os cabelos molhados, mas, talvez eu vá dormir sem esperar, para poder acordar no meio da noite com sua mensagem, e lembrar-me, ainda há alguém que se importa... Masoquista, eu sei. Só espero que a mensagem a me acordar não seja da operadora. Por favor, não me decepcione, eu já mudei o plano do meu celular...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O cheiro [explícito]

O cheiro que eu mais gosto em você não é o cheiro dos teus perfumes importados, mas o cheiro exótico do seu coro cabeludo que cola em meu rosto quando estamos dormindo e o cheiro que fique em minha pele depois de uma noite de amor. O cheiro forte da sua vagina úmida embaixo do cobertor, sedenta por amor, que espera pela minha língua.

Essa língua que traça as linhas da sua boca, percorre todo seu pescoço que insiste em ter cócegas, desce entre seus seios onde se perdem por um longo tempo procurando o prazer onde você diz não ter,  até seguirem por sua barriga transpassada pelas costelas e chegar abaixo do seu umbigo, onde te faço arquear a coluna e puxar meus cabelos quando minha boca encontra o tecido das suas roupas íntimas. Eu me demoro por um tempo e passo meu rosto em tuas partes íntimas como forma de te provocar, esperando tua reação de desejo. Eu quero que você peça por mim.

O cheiro invade minhas narinas novamente me fazendo arrancar toda sua roupa com os dentes  e minha língua s…

Pensando em você. 01

Dizem que você só encontra o que está procurando quando para de procurar. Acho que as pessoas dizem isso porque quando estamos procurando somos capazes de aceitar qualquer coisa como se fosse a certa. Mas eu não parei de procurar, eu estava procurando por você, mas não sabia que era você (até encontrar). Eu não precisei perder para saber disso, eu só precisei encontrar.
Confesso que quando eu te conheci eu ainda estava meio confusa. Estava conhecendo pessoas mas nenhuma delas parecia fazer sentido e quando começamos a conversar eu achei que você seria uma delas. Eu olhava para sua foto e me lembro de pensar "parece ser interessante" mas você insistia em demorar um dia inteiro para responder, então todo bom papo era colocado em xeque. Mas você respondia, e respondeu que estava perdida na mesma cidade que eu mas iria voltar em breve. Eu estava desde cedo na rua e ainda tinha que passar em casa pra pegar minhas malas. Pensei até na possibilidade de sentarmos lado a lado no pró…

E foi ficando...

As coisas dele ainda estão espalhadas por toda minha casa: no varal, no armário da cozinha, noguarda roupa... Eu não estou preocupada se ele vai voltar, nem quando (porque eu sei que ele irá voltar), mas como. Quando eu o encontrei ele não era um homem inteiro. Estava despedaçado. Tentando desesperadamente juntar seus pedaços, pedindo ajuda para cada mulher fácil que passava por sua vida. Aos poucos cada uma que lhe encontrava lhe ajudava a colar alguns pedacinhos desse grande coração. Mas ainda havia muito trabalho a se fazer. Eu nem sequer lembro quando começamos a nos chamar de amor, de bebê... Na faculdade, em meio a todos os estágios e informações novas que recebemos, eu guardei uma: “ele vai te bater, mas para saber se você vai continuar ali por ele depois disso”. E foi isso que ele fez comigo. Ele tentou me quebrar em pedaços igual a ele. Ainda não sei porquê. Mas eu continuei ali por ele. Tudo começou naquele encontro despretensioso para falar sobre assuntos chatos da faculdade (…