Pular para o conteúdo principal

Carta para minha sogra



            Oi...

            Não sei nem se posso te chamar assim. Me contaram que você já sabe de mim, sabe da minha história com seu filho e que quer me conhecer (com ou sem ele...). Admito que eu não gostaria de te conhecer assim. Ainda sonho com aquele momento em que ele diria “hoje vou te apresentar para minha família... como minha namorada”. O frio na barriga, as borboletas acordando, chegar na sua casa de mãos dadas com ele e a expectativa ao girar a chave na porta.

            Nossa história não é perfeita. Nem mesmo sei se iremos continuar juntos. Mas eu sei que você está depositando muitas expectativas em mim. Que conta comigo na vida dele (confesso que eu também...). Mas a verdade é que não serei eu a pessoa que irá mudar ele. A pessoa que irá leva-lo para “o bom caminho”...

            Ele precisa mudar por si próprio para abrir espaço para mim em sua vida. Porque ainda não tem espaço para mim nessa família por mais que você pense que coração de mãe sempre caiba mais um. Mas o coração de um nômade nem sempre tem espaço para alguém.

            Eu sou completamente capaz de ver que ele está machucado, e talvez dentro do meu coração tenha a poçãozinha mágica que irá curá-lo. Mas ele precisa abrir o coração para me receber e ele ainda não o fez. Talvez eu espere por ele... Não sei! Mas eu posso te prometer uma coisa: se um dia ele me aceitar na vida dele por completo, eu farei de tudo para torná-lo o homem mais feliz do mundo. (E pretendo ser, também, a mulher mais feliz do mundo).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O cheiro [explícito]

O cheiro que eu mais gosto em você não é o cheiro dos teus perfumes importados, mas o cheiro exótico do seu coro cabeludo que cola em meu rosto quando estamos dormindo e o cheiro que fique em minha pele depois de uma noite de amor. O cheiro forte da sua vagina úmida embaixo do cobertor, sedenta por amor, que espera pela minha língua.

Essa língua que traça as linhas da sua boca, percorre todo seu pescoço que insiste em ter cócegas, desce entre seus seios onde se perdem por um longo tempo procurando o prazer onde você diz não ter,  até seguirem por sua barriga transpassada pelas costelas e chegar abaixo do seu umbigo, onde te faço arquear a coluna e puxar meus cabelos quando minha boca encontra o tecido das suas roupas íntimas. Eu me demoro por um tempo e passo meu rosto em tuas partes íntimas como forma de te provocar, esperando tua reação de desejo. Eu quero que você peça por mim.

O cheiro invade minhas narinas novamente me fazendo arrancar toda sua roupa com os dentes  e minha língua s…

Pensando em você. 01

Dizem que você só encontra o que está procurando quando para de procurar. Acho que as pessoas dizem isso porque quando estamos procurando somos capazes de aceitar qualquer coisa como se fosse a certa. Mas eu não parei de procurar, eu estava procurando por você, mas não sabia que era você (até encontrar). Eu não precisei perder para saber disso, eu só precisei encontrar.
Confesso que quando eu te conheci eu ainda estava meio confusa. Estava conhecendo pessoas mas nenhuma delas parecia fazer sentido e quando começamos a conversar eu achei que você seria uma delas. Eu olhava para sua foto e me lembro de pensar "parece ser interessante" mas você insistia em demorar um dia inteiro para responder, então todo bom papo era colocado em xeque. Mas você respondia, e respondeu que estava perdida na mesma cidade que eu mas iria voltar em breve. Eu estava desde cedo na rua e ainda tinha que passar em casa pra pegar minhas malas. Pensei até na possibilidade de sentarmos lado a lado no pró…

Princesa

Durante nosso tempo juntas falamos muito sobre “aprender algo com as pessoas que passam pela nossa vida”. Nosso maior hobby era tentar adivinhar o que tínhamos a aprender uma com a outra e se de fato seria algo somente passageiro ou duradouro. Aquela mania clássica do ser humano de querer adivinhar o futuro. Talvez algo do tipo “eu faria diferente se soubesse desde o início que seria algo para sempre, mas como não sei, prefiro viver um dia de cada vez e se rolar, rolou”. Ela pareceu se convencer disso quando falou estava me preparando para o que viria depois em minha vida, enquanto eu ainda lutava contra a maré e preferia acreditar que ficaríamos juntas por muito tempo.
No nosso último dia juntas isso ficou ainda mais evidente. Suscitei uma discussão que poderia nunca ter acontecido, mas eu como a excelente psicóloga que sou, sei que é preciso fazer manutenção nas relações. Também precisava fazer valer a promessa que eu tenho comigo mesma: ser sincera com meus sentimentos. Como eu pode…