Pular para o conteúdo principal

O talvez já se foi



Já faz um tempo que ele se foi. Desde então eu passei a olhar mais para os lados. Com ele era apenas em frente, sempre em frente; tudo parecia estar em seu lugar, não havia o que procurar. Tem um tempo já que ele virou naquela esquina movimentada e seguiu sem mim, sumiu na multidão. Não sei onde aquela rua vai dar, e nem dá para saber. Já ficou para trás. Eu continuo em frente, seguindo o mesmo caminho que eu estava antes de começar a caminhar com ele. São tantas esquinas, tantos nomes; avenidas, ruas sem saída, ruas de mão dupla, ruas de mão única... Ainda não dobrei nenhuma esquina, ainda não sai dessa rua na qual ele me deixou; talvez seja o medo de me perder novamente. Talvez na próxima esquina eu me encontre. Quem sabe. Minha amiga disse que ali há um bar que é a minha cara, talvez eu vá conhecer. Bom, o talvez ficou para trás. Alcancei a esquina e vou conhecer o bar. Volto outra hora... Talvez.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O cheiro [explícito]

O cheiro que eu mais gosto em você não é o cheiro dos teus perfumes importados, mas o cheiro exótico do seu coro cabeludo que cola em meu rosto quando estamos dormindo e o cheiro que fique em minha pele depois de uma noite de amor. O cheiro forte da sua vagina úmida embaixo do cobertor, sedenta por amor, que espera pela minha língua.

Essa língua que traça as linhas da sua boca, percorre todo seu pescoço que insiste em ter cócegas, desce entre seus seios onde se perdem por um longo tempo procurando o prazer onde você diz não ter,  até seguirem por sua barriga transpassada pelas costelas e chegar abaixo do seu umbigo, onde te faço arquear a coluna e puxar meus cabelos quando minha boca encontra o tecido das suas roupas íntimas. Eu me demoro por um tempo e passo meu rosto em tuas partes íntimas como forma de te provocar, esperando tua reação de desejo. Eu quero que você peça por mim.

O cheiro invade minhas narinas novamente me fazendo arrancar toda sua roupa com os dentes  e minha língua s…

Pensando em você. 01

Dizem que você só encontra o que está procurando quando para de procurar. Acho que as pessoas dizem isso porque quando estamos procurando somos capazes de aceitar qualquer coisa como se fosse a certa. Mas eu não parei de procurar, eu estava procurando por você, mas não sabia que era você (até encontrar). Eu não precisei perder para saber disso, eu só precisei encontrar.
Confesso que quando eu te conheci eu ainda estava meio confusa. Estava conhecendo pessoas mas nenhuma delas parecia fazer sentido e quando começamos a conversar eu achei que você seria uma delas. Eu olhava para sua foto e me lembro de pensar "parece ser interessante" mas você insistia em demorar um dia inteiro para responder, então todo bom papo era colocado em xeque. Mas você respondia, e respondeu que estava perdida na mesma cidade que eu mas iria voltar em breve. Eu estava desde cedo na rua e ainda tinha que passar em casa pra pegar minhas malas. Pensei até na possibilidade de sentarmos lado a lado no pró…

E foi ficando...

As coisas dele ainda estão espalhadas por toda minha casa: no varal, no armário da cozinha, noguarda roupa... Eu não estou preocupada se ele vai voltar, nem quando (porque eu sei que ele irá voltar), mas como. Quando eu o encontrei ele não era um homem inteiro. Estava despedaçado. Tentando desesperadamente juntar seus pedaços, pedindo ajuda para cada mulher fácil que passava por sua vida. Aos poucos cada uma que lhe encontrava lhe ajudava a colar alguns pedacinhos desse grande coração. Mas ainda havia muito trabalho a se fazer. Eu nem sequer lembro quando começamos a nos chamar de amor, de bebê... Na faculdade, em meio a todos os estágios e informações novas que recebemos, eu guardei uma: “ele vai te bater, mas para saber se você vai continuar ali por ele depois disso”. E foi isso que ele fez comigo. Ele tentou me quebrar em pedaços igual a ele. Ainda não sei porquê. Mas eu continuei ali por ele. Tudo começou naquele encontro despretensioso para falar sobre assuntos chatos da faculdade (…