Pular para o conteúdo principal

Aquela mulher




Sentada em uma das mesas daquela pequena cafeteria, tomava seu café tranqüilamente. Sua mão segurava delicada, porém firmemente a xícara que levava aos lábios rosados do batom, sem nenhuma pressa, como se o tempo nunca passasse. Era assim para ela, todo o dia em que sentava naquela mesma mesa, para tomar seu costumeiro café, o tempo parava. Era como se os ponteiros do relógio se recusassem a funcionar, aliás, há alguma coisa mais interessante que não seja vê-la tomar seu café?

Para ela, sim. Era muito mais interessante observar as pessoas correrem pelas ruas, atrapalhadas, rumo sabe-se lá onde. Compromissos que julgavam importantes, porém, para os quais estavam sempre atrasados. Ela não fazia nada com pressa, nada correndo. Tudo no seu devido tempo. Afinal, ela tinha o tempo em suas mãos, nunca se atrasava, nunca perdia a hora. Nada que um ajuste nos ponteiros não concertem.

Toda manhã, após tomar seu café e observar as pessoas, ela levantava-se, pagava a conta e caminhava devagar até a empresa onde trabalhava. Todos sabiam quem era ela, mas ninguém a conhecia. Ninguém sabia de sua história, sua vida. Toda história da qual conheciam desta moça, eram simplesmente os contos que ela publicava todas as semanas no jornal da cidade. Era famosa, mas não era celebridade.

Suas histórias tocavam o coração de quem as lia, cheias de sentimentos e emoções, mas ninguém nunca chegou a saber de onde vinha toda essa inspiração. Seriam fragmentos de sua própria história? Seriam histórias de outras pessoas? Ou seriam histórias inventadas? Seria ela uma mentirosa? Ninguém sabia.

A expressão daquela moça nunca fora de denunciar suas emoções. Parecia não sentir nada, fria. Porém, sua imagem era de uma mulher muito bem resolvida. Nada do tipo solteirona, ou mãe de três filhos. Apenas, mulher.

Mas não apenas uma mulher. A cidade inteira parecia parar quando ela passava. Todos queriam saber quem era ela. Por dentro. Que sentimentos têm essa moça? Pelo que ela já passara? Por que, todos os dias, ela toma café no mesmo lugar, na mesma mesa? Porque sempre estava sozinha, não falava com ninguém? As pessoas tinham medo de se aproximar? A ausência de pessoas perto dessa moça fazia com que as outras pessoas, que a viam, não se aproximassem também.

Ela era uma moça solitária? Não... Não tinha aparência de uma pessoa solitária. Era uma mulher bem cuidada, de boa aparência, bons modos e boa de palavras. Ganhava bem... Porque então não viajara pelo mundo? Conheceria novos lugares, novas pessoas. Alguma coisa segurava aquela mulher ali. Algo naquele lugar, naquele café, naquelas pessoas a impediam de ir embora. E seria assim, por muitos anos mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MORANDO SOZINHA #1: Minha experiência

Algumas pessoas já sabem que me mudei (novamente) para São Paulo. Mas muuuitas pessoas ainda tem curiosidade e perguntam muito o porque desta mudança e tudo mais. Então, criei este quadro aqui no blog para compartilhar com vocês toda minha experiência e dicas para quem pensa em fazer o mesmo!
Neste post eu contei um pouco sobre a decisão de vir morar em São Paulo, então quem quiser ler só clicar no link. O objetivo deste quadro é falar sobre morar sozinha mesmo, falar sobre a minha experiência nas casas que já passei etc.
Antes de fazer as malas...
Dica #1: pesquise MUITO antes de fechar negócio. Meu objetivo sempre foi procurar uma república, pois o custo diminui, muitas vezes já está mobiliado e a cozinha equipada (o que é mega importante) e você não fica completamente sozinha, terá alguém pra te ajudar com as rotas e tudo mais.
Gente, quando eu falo pesquisem muito, é pesquisem muito mesmo. Conversem com pessoas que conheçam São Paulo, tenha em mãos o endereço de onde você vai estudar/…

Metas para 2017

Este texto está longe de ser algo que você costuma encontrar no Facebook, com listinhas do que você deseja para 2017. Meu objetivo não é te dizer pra não fazê-las, muito pelo contrário. Eu acho ótimo e indico sim, mas vamos fazer com consciência. Fala sério, quantas listinhas de final de ano você já fez, e quando chegou no ano seguinte você viu que não cumpriu nadinha daquilo que você estabeleceu? Muitas vezes né?
Antes de fazer a tal lista, vamos fazer uma retrospectiva do ano que passou (e dos anteriores já que você não está fazendom isso direito né?). Pensa em tudo que aconteceu ao longo do seu ano, tudo tudinho. Realizações, frustrações, conquistas. Vamos separar mais ou menos assim: O que aconteceu que deu certo/eu gostei.O que aconteceu que deu errado/eu não gostei.
E diante desses fatos, ou caso você esteja com alguma dificuldade de amadurecer essa ideia (o que fazer para que continue assim, se for bom; o que fazer para mudar o que aconteceu, se foi ruim). 
Vamos pensar da seguin…

Improvável e inesquecível #0.1

Para ler ouvindo: Domingo de Manhã (Marcos e Belutti) e Logo Eu (Jorge e Mateus) covers por Gabi Luthai.
Escrevo essa mensagem em um Domingo de manhã, como na música. Meu dia favorito no mundo (com você). Nos conhecemos em um Domingo fora do comum. Você com seu senso de humor aflorado e eu apenas querendo sumir. Quando você chegou perto para fazer uma piada comigo eu tentei me esconder o máximo possível. Pois eu olhei para você e vi: "Nossa, lá vem aquele bobão que acha que é amigo de todo mundo, que conhece todo mundo e acha que pode ter essa intimidade com qualquer um, vou logo cortar." Mas quando você chegou perto, emanando sua alegria, não consegui não rir.
Foi um Domingo completamente atípico. Primeiro final de semana que eu trabalhei, estava na empresa há apenas 3 dias. Logo pensei, bom... Não vou ter que me preocupar, eu não irei mais vê-lo. Então não corro o risco de um dia sermos amigos e ele sair contando para todo mundo que eu quase atravessei o chão no dia que ele …