Pular para o conteúdo principal

Aquela mulher




Sentada em uma das mesas daquela pequena cafeteria, tomava seu café tranqüilamente. Sua mão segurava delicada, porém firmemente a xícara que levava aos lábios rosados do batom, sem nenhuma pressa, como se o tempo nunca passasse. Era assim para ela, todo o dia em que sentava naquela mesma mesa, para tomar seu costumeiro café, o tempo parava. Era como se os ponteiros do relógio se recusassem a funcionar, aliás, há alguma coisa mais interessante que não seja vê-la tomar seu café?

Para ela, sim. Era muito mais interessante observar as pessoas correrem pelas ruas, atrapalhadas, rumo sabe-se lá onde. Compromissos que julgavam importantes, porém, para os quais estavam sempre atrasados. Ela não fazia nada com pressa, nada correndo. Tudo no seu devido tempo. Afinal, ela tinha o tempo em suas mãos, nunca se atrasava, nunca perdia a hora. Nada que um ajuste nos ponteiros não concertem.

Toda manhã, após tomar seu café e observar as pessoas, ela levantava-se, pagava a conta e caminhava devagar até a empresa onde trabalhava. Todos sabiam quem era ela, mas ninguém a conhecia. Ninguém sabia de sua história, sua vida. Toda história da qual conheciam desta moça, eram simplesmente os contos que ela publicava todas as semanas no jornal da cidade. Era famosa, mas não era celebridade.

Suas histórias tocavam o coração de quem as lia, cheias de sentimentos e emoções, mas ninguém nunca chegou a saber de onde vinha toda essa inspiração. Seriam fragmentos de sua própria história? Seriam histórias de outras pessoas? Ou seriam histórias inventadas? Seria ela uma mentirosa? Ninguém sabia.

A expressão daquela moça nunca fora de denunciar suas emoções. Parecia não sentir nada, fria. Porém, sua imagem era de uma mulher muito bem resolvida. Nada do tipo solteirona, ou mãe de três filhos. Apenas, mulher.

Mas não apenas uma mulher. A cidade inteira parecia parar quando ela passava. Todos queriam saber quem era ela. Por dentro. Que sentimentos têm essa moça? Pelo que ela já passara? Por que, todos os dias, ela toma café no mesmo lugar, na mesma mesa? Porque sempre estava sozinha, não falava com ninguém? As pessoas tinham medo de se aproximar? A ausência de pessoas perto dessa moça fazia com que as outras pessoas, que a viam, não se aproximassem também.

Ela era uma moça solitária? Não... Não tinha aparência de uma pessoa solitária. Era uma mulher bem cuidada, de boa aparência, bons modos e boa de palavras. Ganhava bem... Porque então não viajara pelo mundo? Conheceria novos lugares, novas pessoas. Alguma coisa segurava aquela mulher ali. Algo naquele lugar, naquele café, naquelas pessoas a impediam de ir embora. E seria assim, por muitos anos mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O cheiro [explícito]

O cheiro que eu mais gosto em você não é o cheiro dos teus perfumes importados, mas o cheiro exótico do seu coro cabeludo que cola em meu rosto quando estamos dormindo e o cheiro que fique em minha pele depois de uma noite de amor. O cheiro forte da sua vagina úmida embaixo do cobertor, sedenta por amor, que espera pela minha língua.

Essa língua que traça as linhas da sua boca, percorre todo seu pescoço que insiste em ter cócegas, desce entre seus seios onde se perdem por um longo tempo procurando o prazer onde você diz não ter,  até seguirem por sua barriga transpassada pelas costelas e chegar abaixo do seu umbigo, onde te faço arquear a coluna e puxar meus cabelos quando minha boca encontra o tecido das suas roupas íntimas. Eu me demoro por um tempo e passo meu rosto em tuas partes íntimas como forma de te provocar, esperando tua reação de desejo. Eu quero que você peça por mim.

O cheiro invade minhas narinas novamente me fazendo arrancar toda sua roupa com os dentes  e minha língua s…

Pensando em você. 01

Dizem que você só encontra o que está procurando quando para de procurar. Acho que as pessoas dizem isso porque quando estamos procurando somos capazes de aceitar qualquer coisa como se fosse a certa. Mas eu não parei de procurar, eu estava procurando por você, mas não sabia que era você (até encontrar). Eu não precisei perder para saber disso, eu só precisei encontrar.
Confesso que quando eu te conheci eu ainda estava meio confusa. Estava conhecendo pessoas mas nenhuma delas parecia fazer sentido e quando começamos a conversar eu achei que você seria uma delas. Eu olhava para sua foto e me lembro de pensar "parece ser interessante" mas você insistia em demorar um dia inteiro para responder, então todo bom papo era colocado em xeque. Mas você respondia, e respondeu que estava perdida na mesma cidade que eu mas iria voltar em breve. Eu estava desde cedo na rua e ainda tinha que passar em casa pra pegar minhas malas. Pensei até na possibilidade de sentarmos lado a lado no pró…

E foi ficando...

As coisas dele ainda estão espalhadas por toda minha casa: no varal, no armário da cozinha, noguarda roupa... Eu não estou preocupada se ele vai voltar, nem quando (porque eu sei que ele irá voltar), mas como. Quando eu o encontrei ele não era um homem inteiro. Estava despedaçado. Tentando desesperadamente juntar seus pedaços, pedindo ajuda para cada mulher fácil que passava por sua vida. Aos poucos cada uma que lhe encontrava lhe ajudava a colar alguns pedacinhos desse grande coração. Mas ainda havia muito trabalho a se fazer. Eu nem sequer lembro quando começamos a nos chamar de amor, de bebê... Na faculdade, em meio a todos os estágios e informações novas que recebemos, eu guardei uma: “ele vai te bater, mas para saber se você vai continuar ali por ele depois disso”. E foi isso que ele fez comigo. Ele tentou me quebrar em pedaços igual a ele. Ainda não sei porquê. Mas eu continuei ali por ele. Tudo começou naquele encontro despretensioso para falar sobre assuntos chatos da faculdade (…