Pular para o conteúdo principal

Adeus, 2013


Foto: Daniel Garcia - Viver em Santos 

Final/Começo de ano é uma época atípica: o único período do ano em que pensamos no que fizemos e no que vamos fazer. Todos os outros dias do ano nós passamos fazendo coisas por impulso, quebrando a cara e repetindo os mesmos erros. Coisas essas que tentamos evitar a cada virada de ano, fazendo uma listinha, planejando e etc.

Esse ano foi especialmente diferente na minha vida. Digamos que finalmente coloquei a ponta do dedinho do pé na vida adulta... Tomei vergonha na cara e comecei a trabalhar, tive relacionamentos (algo muito parecido com um namoro mas cedo demais para definir assim), finalmente tirei minha carteira de habilitação, passei para a segunda fase de um vestibular... É... As conquistas vão se acumulando. É claro que estas citadas são as maiores (e mais agradáveis de se falar; aquelas que a gente até ergue o peito).

Mas as minhas conquistas neste ano que se vai não se limitam apenas ao que foi bom, e/ou fácil. Nada foi fácil. Algumas doeram, causaram feridas. Nesse caminho enfrentei dias e noites, sol, calor, frio, chuvas, tempestades e muito mais. Os tombos... Ah, eles iam de um simples tropeço até mesmo algo que parecia cair de um precipício. Mas veja só, eu estou aqui, vivinha da silva e escrevendo. Quem diria que eu iria cair de um precipício e continuar vivendo? Pois é.

Um tempo atrás eu queria parar o tempo. Depois eu quis que o ano acabasse no dia seguinte e com ele todas as minhas angústias. Mas no fim eu acabei percebendo que a virada do ano não ia tirar esse peso das minhas costas, e exatamente por isso ano não podia acabar no dia seguinte. Eu não podia começar um “ano novo, vida nova” com todas aquelas pedras dentro da minha mochila. Era preciso deixá-las pelo caminho, em lugares escondidos para que quem vem atrás não tropeçasse nelas também.

Eu aprendi a lidar com algumas dessas angústias, algumas delas ainda estou aprendendo, mas agora eu sei que cada uma tem sua hora e seu lugar. Sei também que chorar não resolve e rir de tudo também é mera ilusão. É preciso que haja um equilíbrio. Minha mochila ainda tem algumas pedras mas trago nela apenas o que posso carregar. Entre boas e ruins, bonitas e feias, eu levo desse ano muitas lembranças, muitas amizades novas, algumas que desfiz, um laço reatado com outro lado da minha família, a paz comigo mesma e com Deus...

O que mais eu ia querer? Não tem problemas? Mas aí a vida ia ser chata demais. Quero meus problemas e a maturidade para lidar com eles. Isso sim.


Um feliz ano novo a todos os leitores do meu blog, obrigada por este ano incrível e por me emprestarem o ombro de vocês. Amanhã o blog faz um ano e isso é maravilhoso! É a primeira vez que chego tão longe com um projeto assim. Obrigada aos leitores fantasmas e às pessoas que são sempre lembradas nos posts aqui. Um beijo no coração de todos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O cheiro [explícito]

O cheiro que eu mais gosto em você não é o cheiro dos teus perfumes importados, mas o cheiro exótico do seu coro cabeludo que cola em meu rosto quando estamos dormindo e o cheiro que fique em minha pele depois de uma noite de amor. O cheiro forte da sua vagina úmida embaixo do cobertor, sedenta por amor, que espera pela minha língua.

Essa língua que traça as linhas da sua boca, percorre todo seu pescoço que insiste em ter cócegas, desce entre seus seios onde se perdem por um longo tempo procurando o prazer onde você diz não ter,  até seguirem por sua barriga transpassada pelas costelas e chegar abaixo do seu umbigo, onde te faço arquear a coluna e puxar meus cabelos quando minha boca encontra o tecido das suas roupas íntimas. Eu me demoro por um tempo e passo meu rosto em tuas partes íntimas como forma de te provocar, esperando tua reação de desejo. Eu quero que você peça por mim.

O cheiro invade minhas narinas novamente me fazendo arrancar toda sua roupa com os dentes  e minha língua s…

Pensando em você. 01

Dizem que você só encontra o que está procurando quando para de procurar. Acho que as pessoas dizem isso porque quando estamos procurando somos capazes de aceitar qualquer coisa como se fosse a certa. Mas eu não parei de procurar, eu estava procurando por você, mas não sabia que era você (até encontrar). Eu não precisei perder para saber disso, eu só precisei encontrar.
Confesso que quando eu te conheci eu ainda estava meio confusa. Estava conhecendo pessoas mas nenhuma delas parecia fazer sentido e quando começamos a conversar eu achei que você seria uma delas. Eu olhava para sua foto e me lembro de pensar "parece ser interessante" mas você insistia em demorar um dia inteiro para responder, então todo bom papo era colocado em xeque. Mas você respondia, e respondeu que estava perdida na mesma cidade que eu mas iria voltar em breve. Eu estava desde cedo na rua e ainda tinha que passar em casa pra pegar minhas malas. Pensei até na possibilidade de sentarmos lado a lado no pró…

E foi ficando...

As coisas dele ainda estão espalhadas por toda minha casa: no varal, no armário da cozinha, noguarda roupa... Eu não estou preocupada se ele vai voltar, nem quando (porque eu sei que ele irá voltar), mas como. Quando eu o encontrei ele não era um homem inteiro. Estava despedaçado. Tentando desesperadamente juntar seus pedaços, pedindo ajuda para cada mulher fácil que passava por sua vida. Aos poucos cada uma que lhe encontrava lhe ajudava a colar alguns pedacinhos desse grande coração. Mas ainda havia muito trabalho a se fazer. Eu nem sequer lembro quando começamos a nos chamar de amor, de bebê... Na faculdade, em meio a todos os estágios e informações novas que recebemos, eu guardei uma: “ele vai te bater, mas para saber se você vai continuar ali por ele depois disso”. E foi isso que ele fez comigo. Ele tentou me quebrar em pedaços igual a ele. Ainda não sei porquê. Mas eu continuei ali por ele. Tudo começou naquele encontro despretensioso para falar sobre assuntos chatos da faculdade (…