Pular para o conteúdo principal

MORANDO SOZINHA #1: Minha experiência



Algumas pessoas já sabem que me mudei (novamente) para São Paulo. Mas muuuitas pessoas ainda tem curiosidade e perguntam muito o porque desta mudança e tudo mais. Então, criei este quadro aqui no blog para compartilhar com vocês toda minha experiência e dicas para quem pensa em fazer o mesmo!

Neste post eu contei um pouco sobre a decisão de vir morar em São Paulo, então quem quiser ler só clicar no link. O objetivo deste quadro é falar sobre morar sozinha mesmo, falar sobre a minha experiência nas casas que já passei etc.

Antes de fazer as malas...

Dica #1: pesquise MUITO antes de fechar negócio. Meu objetivo sempre foi procurar uma república, pois o custo diminui, muitas vezes já está mobiliado e a cozinha equipada (o que é mega importante) e você não fica completamente sozinha, terá alguém pra te ajudar com as rotas e tudo mais.

Gente, quando eu falo pesquisem muito, é pesquisem muito mesmo. Conversem com pessoas que conheçam São Paulo, tenha em mãos o endereço de onde você vai estudar/trabalhar, pontos de referência, metrô, ônibus etc. Dificilmente você vai conseguir um lugar barato, que seja perto de onde você vai estudar/trabalhar, perto do metrô, perto dos barzinhos, de vários mercados, padarias, farmácias... Estamos falando de São Paulo, nem tudo é tão perto assim. É bom valorizar lugares que tenham metrô ou terminal de ônibus perto, pois facilita a VIDA. Ai você se baseia na condução que precisará pegar pra chegar ao seu destino e escolhe o melhor lugar pra você.

Eu moro próximo de uma estação de metrô da linha azul, também tem próximo um terminal de ônibus, então eu tenho transporte fácil pra faculdade, transporte fácil pro trabalho e pra rodoviária também (é por onde eu vou quando vou visitar minha família). Então, pra cada um desses lugares eu pego apenas 1 condução pra chegar, em compensação, eu ando cerca de 7 minutos pra chegar no metrô. Mas vale super a pena.

Existem alguns sites que reúnem anúncios de repúblicas, em um deles encontrei o primeiro lugar em que fui morar. Eu não lembro mais qual é o site, mas pesquisando no Google vocês acham super fácil. No facebook também tem um grupo muito grande chamado Repúblicas de São Paulo. Lá tem todo tipo de anúncio, e você pode publicar também que está em busca de algo e o pessoal dá uma forcinha, foi lá que encontrei o lugar que moro atualmente.

Dica #2: não tenha medo/preguiça de visitar vários lugares. Ninguém disse que você pe obrigado a ficar no primeiro lugar que visitar. Tem que ir em vários lugares mesmo e conhecer, ver as pessoas, ver se o anúncio condiz com a vaga oferecida. E outra dica que dou neste caso, vá de transporte público (se este for seu meio de locomoção quando se mudar), pois você já terá noção de como fará pra sair e voltar de/pra lá. E leve sempre alguém junto com você, para te ajudar a analisar e por segurança também.

Fechando negócio

Antes de fechar negócio, pergunte TUDO.

A pessoa que anunciou está ali e deve responder todas as suas dúvidas. Questione tudo mesmo. Quando eu fui visitar o lugar que moro atualmente, fui acompanhada da minha mãe (e sempre brinco que ela é minha empresária). Avaliamos a pessoa que dividiria quarto comigo, perguntamos o que elas faziam (trabalho/estudos), de onde eram, como foram parar lá, perguntamos a rotina da casa, se alguém fica lá o dia todo, se todo mundo fica fora o dia todo, perguntamos sobre limpeza, regras da casa, convivência, uso das áreas comuns da casa, se e quais móveis estariam disponíveis para minha mudança, o motivo da pessoa anterior estar deixando a vaga... Mais pra frente, depois de ter me mudado, perguntei também o histórico de moradores dali.

Eu e minha mãe achamos importante avaliar a condição das pessoas que estavam morando ali. Por exemplo, eu vim para São Paulo devido à faculdade, porém, já se passou metade do meu curso, então, certeza mesmo que eu ficaria ali por mais 2 anos e meio (tempo até eu concluir a graduação – assim espero!), depois disso, só Deus sabe. Não sei se eu estarei em um emprego bom, se eu vou querer continuar em São Paulo, se vou querer voltar para a casa da minha família, se vou viajar pelo mundo etc.

No meu caso, duas meninas estão praticamente no mesmo “nível” que eu, mais ou menos na metade da graduação. Então, de certa forma, temos uma PEQUENA certeza de que elas ainda estarão ali quando eu estiver me formando. Mas a pessoa que aluga o apartamento que moramos e subloca para nós, ela está na fase de conclusão da graduação ao mesmo tempo que seu contrato de trabalho termina no final do ano, e ela ainda não tem garantia se será renovado. Ela também tem vontade de viajar para a Europa. LOGO, temos que pensar na possibilidade de ter que trocar a pessoa que aluga o apartamento (para uma de nós) E procurar um novo integrante para esta república. Isto é, caso ela não permaneça.

Eu particularmente acho uma questão muito importante. No meu caso não estamos tão preocupadas com isso pois ainda não temos a certeza dela de que irá sair, e mesmo que saia, ainda somos em 3, então, não ficaremos na rua, kkkk.

Um pouco mais sobre meu espaço

Muita gente ainda me pergunta sobre o lugar que eu moro. Eu sou suspeita para falar, pois eu acho uma graça!

O apartamento é grande dependendo do ponto de vista. Somos em 4, no apartamento há dois quartos individuais e eu considero um tamanho ótimo, pois cabe uma cama de casal, guarda-roupas, escrivaninha e se bobear da pra colocar até uma cômoda lá, vai de cada um né? Eu divido quarto com mais uma menina, nosso quarto é bem grande e é suíte, ou seja, temos um banheiro só nosso. As outras meninas dividem o tal banheiro social. No meu quarto também tem uma varanda, e olha, pra apartamento eu acho ela enoooorme! É só saber aproveitar o espaço. Mas ela não é tipo sacada sabe? Com vista pra rua. O apartamento é uma “sobreposta”, ele fica em cima de um galpão comercial, então não é prédio, e a nossa varanda então só tem vista pro céu! A sala é pequena mas com a disposição dos móveis cabe todo mundo e até mesmo visitas. A cozinha também é um pouco pequena, mas tem armários bem distribuídos, conseguimos fazer bom uso dela, e acredite, apesar da nossa mesa ser pequena também, nós conseguimos fazer refeições as 4 juntas! Por fim, a área de serviço, essa sim é enorme! Tem até uma pequena dispensa improvisada no fundo, pois é realmente muito grande. Ah, e não posso esquecer o 5º integrante: o gato! Sim, temos um gato, rs.

Bom, vou ficando por aqui hoje, nos próximos posts eu falo mais sobre móveis, mercado/compras, convivência, etc. Se alguém tiver alguma sugestão/curiosidade pode comentar aqui que eu esclareço.


Beijinhos e até a próxima!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O cheiro [explícito]

O cheiro que eu mais gosto em você não é o cheiro dos teus perfumes importados, mas o cheiro exótico do seu coro cabeludo que cola em meu rosto quando estamos dormindo e o cheiro que fique em minha pele depois de uma noite de amor. O cheiro forte da sua vagina úmida embaixo do cobertor, sedenta por amor, que espera pela minha língua.

Essa língua que traça as linhas da sua boca, percorre todo seu pescoço que insiste em ter cócegas, desce entre seus seios onde se perdem por um longo tempo procurando o prazer onde você diz não ter,  até seguirem por sua barriga transpassada pelas costelas e chegar abaixo do seu umbigo, onde te faço arquear a coluna e puxar meus cabelos quando minha boca encontra o tecido das suas roupas íntimas. Eu me demoro por um tempo e passo meu rosto em tuas partes íntimas como forma de te provocar, esperando tua reação de desejo. Eu quero que você peça por mim.

O cheiro invade minhas narinas novamente me fazendo arrancar toda sua roupa com os dentes  e minha língua s…

Pensando em você. 01

Dizem que você só encontra o que está procurando quando para de procurar. Acho que as pessoas dizem isso porque quando estamos procurando somos capazes de aceitar qualquer coisa como se fosse a certa. Mas eu não parei de procurar, eu estava procurando por você, mas não sabia que era você (até encontrar). Eu não precisei perder para saber disso, eu só precisei encontrar.
Confesso que quando eu te conheci eu ainda estava meio confusa. Estava conhecendo pessoas mas nenhuma delas parecia fazer sentido e quando começamos a conversar eu achei que você seria uma delas. Eu olhava para sua foto e me lembro de pensar "parece ser interessante" mas você insistia em demorar um dia inteiro para responder, então todo bom papo era colocado em xeque. Mas você respondia, e respondeu que estava perdida na mesma cidade que eu mas iria voltar em breve. Eu estava desde cedo na rua e ainda tinha que passar em casa pra pegar minhas malas. Pensei até na possibilidade de sentarmos lado a lado no pró…

E foi ficando...

As coisas dele ainda estão espalhadas por toda minha casa: no varal, no armário da cozinha, noguarda roupa... Eu não estou preocupada se ele vai voltar, nem quando (porque eu sei que ele irá voltar), mas como. Quando eu o encontrei ele não era um homem inteiro. Estava despedaçado. Tentando desesperadamente juntar seus pedaços, pedindo ajuda para cada mulher fácil que passava por sua vida. Aos poucos cada uma que lhe encontrava lhe ajudava a colar alguns pedacinhos desse grande coração. Mas ainda havia muito trabalho a se fazer. Eu nem sequer lembro quando começamos a nos chamar de amor, de bebê... Na faculdade, em meio a todos os estágios e informações novas que recebemos, eu guardei uma: “ele vai te bater, mas para saber se você vai continuar ali por ele depois disso”. E foi isso que ele fez comigo. Ele tentou me quebrar em pedaços igual a ele. Ainda não sei porquê. Mas eu continuei ali por ele. Tudo começou naquele encontro despretensioso para falar sobre assuntos chatos da faculdade (…